Desinteresse de familiares interfere no tratamento de doentes crônicos

Atualizado em agosto 14, 2015
Por

Desinteresse de familiares interfere no tratamento de doentes crônicos

Atualizado em agosto 14, 2015
Por
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Na manhã da ultima quinta- feira (13), a equipe da Fundação Imepen, acompanhada da referência técnica do Hiperdia, Marília La Gatta, esteve no Município de Mar de Espanha para mais uma visita técnica. O objetivo foi explicar como funciona o programa, os critérios de encaminhamento e tirar dúvidas em relação à marcação de consultas, atendimento, entre outros. Em média 30 pessoas participaram da reunião, dentre elas enfermeiros e agentes de saúde, divididos entre representantes de Chiador, Senador Cortes e Mar de Espanha.

Durante a apresentação foi destacado o bom atendimento do Hiperdia e as dificuldades que a Atenção Primária tem para que o usuário complete o tratamento.

“O Hiperdia é um programa completo. Já tive a oportunidade de conhecer o Hiperidia em Juiz de Fora e é um apoio excelente para a atenção primária, porque a prefeitura não tem condições de arcar com alguns exames e procedimentos que o Hiperdia oferece. O nosso único empecilho é que às vezes algumas pessoas começam o tratamento e quando estão chegando ao final acham que não precisam da UAPS, somente do Hiperdia, com isso acabam abandonando o tratamento.” Afirma Márcia Daniele Barbosa- Enfermeira e referência técnica do Hiperdia em Mar de Espanha

A falta de comprometimento dos familiares com os pacientes crônicos foi discutida pela maioria dos participantes. Esse é um problema recorrente em Chiador, o município tem dificuldades em mandar pacientes com acompanhantes para tratamento no Hiperdia.

“O primeiro paciente que vai para o Hiperdia volta encantado por que passa pelo nutricionista, e por um monte de médicos, é só encaminhar que eles vão, mas em Chiador temos um problema de resistência das famílias, já tivemos casos de pacientes com ferida no pé que precisavam ir fazer o curativo na unidade e não vinham, acionamos os familiares e eles também não se manifestaram, a solução foi encaminhar para a assistência social e em alguns casos não adiantou. A maioria dos pacientes que encaminhamos para vocês são idosos que necessitam de acompanhante para o dia das consultas. Estamos criando um protocolo para ter a assinatura do acompanhante, caso contrário o usuário não será atendido.” Conclui a  Enfermeira do Município de Chiador, Marcela Rainha.

 

 

fundacaoimepen, aqui no Blog.

O que você achou deste conteúdo?
Conte nos comentários sua opinião sobre: Desinteresse de familiares interfere no tratamento de doentes crônicos.


0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tenha o total controle das informações do seu negócio, e conte com a nossa solução para crescer com você.